Co-working

O mundo do trabalho tem mudado radicalmente nos últimos 20 anos. Cada vez mais a tecnologia tem oferecido uma mobilidade quase infinita. A internet e a comunicação móvel, por meio de celulares e afins, têm sido os grandes catalisadores dessa transformação. Hoje é possível gerenciar um negócio, trabalhar em equipe e lançar um produto mesmo estando cada dia em um lugar diferente.

Estamos começando a viver a era do nomadismo versão 2.0. Este nomadismo nos traz uma grande e desejada independência, uma liberdade de leis trabalhistas, de estruturas rígidas, de regras e hierarquias corporativas e governamentais. E compõe um cenário que nunca existiu neste planeta antes, de ausência de estruturas até então convencionais que, por sua vez, nos provoca também a novas perguntas e desafios.

Com quem, onde e como eu quero, posso e devo trabalhar para realizar meus projetos de vida? Como criar relações inter-dependentes para estes trabalhos? Como achar aliados, colaboradores e parceiros que compartilhem dos meus valores? Esta liberdade para nós (considerando-me um deles) nômades permite e exige que nos organizemos em um formato que permita criar vínculos em função dos nossos projetos, momentos de vida e sonhos.

A procura dessas formas, espaços e ferramentas tem criado novas tribos que, por sua vez, criam uma nova cultura e linguagem. O efeito interessante é que essa busca por liberdade e independência, ainda depende de espaços e estruturas que ajudem a nos organizarmos, porém, carregam uma essência diferente: são estruturas, por opção, co-criadas e orgânicas.

Como manifestação desta nova cultura e linguagem nasce a expressão Co-Working. Uma palavra que você não vai achar nos dicionários convencionais de português. Porém se você procurar na enciclopédia online Wikipédia ou em mecanismos de busca na internet, você encontrará uma serie de textos e matérias.

Co-working procura descrever esse novo formato de relação entre profissionais liberais e empreendedores que trabalham em projetos independentes mas compartilham valores e convivem em espaços capazes de criar possibilidades de sinergia, troca de idéias e conhecimento. Co-workers são profissionais que têm criado espaços e ambientes para se encontrarem e falarem uns com os outros sem, necessariamente, trabalharem juntos no mesmo projeto. Estes espaços são solo fértil para novas idéias germinarem e liberarem o potencial criativo de cada pessoa e projeto. É comum que esses lugares sejam cafés, apartamentos, escritórios colaborativos ou mesmo eventos pontuais, desde que permitam o encontro de pessoas que compartilham desta nova cultura.

O Hub (http://www.the-hub.net) é um dos pioneiros em criar espaços de co-working no mundo.

Ele nasceu para inspirar e apoiar iniciativas empreendedoras para um mundo radicalmente melhor, por meio de espaços em que as pessoas podem se encontrar, se conectar, trabalhar, aprender e inovar. Co-Working faz parte do DNA do Hub São Paulo, onde hoje frequentam dezenas de pessoas de diversas áreas, tribos, formações e classes sociais. Cada uma em seu projeto, e todas juntas. As possibilidades desses talentos criarem projetos significativos para o bem do mundo tem sido o motor e a inspiração do Hub desde sempre.

Enquanto as grandes empresas estão pensando em como sair das crises mantendo seu aparato funcionando e dando lucro, nestes lugares de co-working, se observa, se trabalha, se debate e se cria um futuro diferente. Como a poeta Margaret Mead costumava dizer “Nunca duvide que um pequeno grupo de cidadãos conscientes e engajados possa mudar o mundo. De fato, esta foi a única forma que isso aconteceu até agora”.

Você tem um desafio, uma idéia ou saudade de um sonho nunca realizado? Estes novos espaços podem ser lugares para começar, retomar e repensar o seu trabalho e o seu futuro.